Em Junho de 2019, o Rio Ethical Fashion recebeu mais de 600 pessoas de diferentes setores da moda para discutir as novas fronteiras do mercado. Em 3 dias de evento, conectamos academia, indústria, ONGs, marcas e produtores em torno de uma só questão: como tornar a moda mais ética e sustentável?

Mais de 40 palestrantes do Brasil e do mundo trouxeram aos palcos do REF temas como igualdade de gênero, comércio justo, criação colaborativa, novo luxo, matérias-primas sustentáveis, economia circular e muito mais.

Uma questão de sobrevivência

"É insensato continuar a estimular uma indústria nos mesmos moldes que os nossos ancestrais. Que trata consumo como sinônimo de felicidade, [...] que ainda vende roupas sem informar de onde elas vieram, em que condições e por quem elas foram produzidas." As palavras fizeram parte do discurso dos estudantes da Greve Pelo Clima, que abriram o REF clamando por mudanças urgentes no sistema da moda.  #grevepeloclima

Por uma moda mais humana e livre

Foram 12 painéis com uma mesma questão: como tornar a moda mais transparente e representativa. Inclusão e visibilidade em todas as etapas da cadeia, equidade racial e de gênero, desenvolvimento de tecnologias e metodologias para expandir o mercado em torno de pilares sustentáveis e uma mudança de modelo de consumo focado em produtos que façam o bem e diminuam as opressões e diferenças.

"O valor justo é aquele que quem produz também possa comprar", marcou a fala de Nelsa Nespolo, diretora-presidente da Cooperativa Central Justa Trama, apontando para a necessidade de revermos a cadeia de valor da moda. É o que faz o Ethical Fashion Initiative, de Simone Cipriani. Através de colabs entre artesãos e marcas de luxo, o EFI promove a economia solidária em países em desenvolvimento, construindo novos modelos para a produção. "A sustentabilidade nos negócios de moda é possível, mas requer mudanças contínuas e a longo prazo de modelo de negócios e na cadeia de valor", ele diz.

Há mais de 10 anos, o Ethical Fashion Initiative conecta artesãos africanos com a marca Vivienne Westwood para o desenvolvimento de coleções de bolsas e outros acessórios. Para Carlo D'Amario, CEO da grife, "sustentabilidade é parte da equação de percepção de valor". Na moda, essa percepção ainda está ligada ao status ou qualidade estética, mas o fundador e diretor criativo da Osklen Oskar Metsavaht acredita que o novo luxo virá do produto que trouxer inovação em materiais e processos produtivos sustentáveis. Seu Instituto-E desenvolveu, junto ao Coppead, uma metodologia de rastreamento do impacto real dos produtos da empresa, usando métricas ambientais e sociais como fatores no processo de decisão sobre a criação. "Antes de transparência, preciso de visibilidade. O primeiro passo para muitas marcas é buscar o autoconhecimento", diz Oskar.

Apoio à comunidade do Jacaré
 

Nos juntamos à WeLight, que permite a consumidores e empresas apoiar projetos sociais e ambientais através de suas compras, garantindo prestação de contas, segurança e transparência do fluxo através de tecnologia blockchain. Doamos 2% de toda a receita do Rio Ethical Fashion para a iniciativa JCRÉ Facilitador, que oferece capacitação em moda e beleza a baixo custo para moradores do Jacarezinho no Rio de Janeiro. A doação do REF vai possibilitar a compra de equipamentos para o curso de cabelereiro.

Materiais reciclados e reutilizados no kit do REF

Nosso kit para os participantes trouxe os caderninhos da Cicero, com capa de resíduos têxteis de marcas cariocas. Também desenvolvemos, em parceria com a Farm, bolsas dupla-face com sobras de tecidos de coleções passadas. As bolsas foram confeccionadas pela Pipa Social, pólo de criação coletiva voltado para o posicionamento profissional de moradores de comunidades de baixa renda. Junto com a Schopf Papier fizemos sinalizadores de papelão (que serão reciclados) para nossos convidados passarem a mensagem de uma moda que protagoniza mudanças.

Ainda: nossa equipe de produção usou camisas do projeto ASAP da Osklen, confeccionadas em e-PET, material desenvolvido pelo Instituto-E com plástico PET reciclado.

Moda e Academia + Agenda Moda Brasil

Além do fórum, o REF recebeu convidados para ações em parceria com a Academia e com a Indústria. No MODA E ACADEMIA debatemos entre 40 convidados o futuro do ensino de moda no Brasil e como ele pode se tornar mais sustentável e ético. A resposta: transversalidade do tema no currículo - sustentabilidade não é mais um tema isolado, tem que estar em todas as cadeiras e disciplinas.

Fechando o Rio Ethical Fashion, representantes de marcas e da indústria se uniram para uma sessão de co-criação. O objetivo: criar a AGENDA MODA BRASIL, um guia de ação com as perguntas que vão mobilizar a transformação na moda nos próximos anos. Nos inspiramos nos cenários de futuro desenvolvidos pelo Lab Moda Sustentável para falar de Educação, Tecnologia, Cultura e Consumo, Ciclo de vida do Produto, Trabalho e Desigualdade, Modelo de Negócios e Políticas Públicas para a moda. Este é o legado deixado pelo REF: um manifesto que vai pautar os principais passos para que as empresas contribuam com uma moda sustentável e justa.

Sustentabilidade é um estilo de vida

"Eu acredito que um estilo de vida sustentável pode enriquecer a sua vida com mais qualidade, mais histórias, mais sabores, mais estilo. E isso não precisa ser difícil." Foi com essas ideias em mente que a holandesa Marieke Eyskoot, especialista em moda sustentável, escreveu o livro "This is a good guide for sustainable living". Fechando os painéis do fórum, Marieke falou sobre a necessidade de virarmos a linguagem da moda de um lugar negativo e excludente para um foco em produtos que provoquem sentimentos bons e que possam ser consumidos quando necessários.

Sair do modelo de consumo em massa é também o mote de Patrick Duffy, do Global Fashion Exchange. Com curadoria da Mag Mov, Patrick trouxe para o REF o primeiro SWAP GFX no Brasil. A feira de trocas aconteceu no terraço do IED-Rio e contou com doações de peças-piloto da Farm. Foram 84 participantes e 420 peças de roupas trocadas - mais de 20Kg de têxteis reaproveitados.

Com o Rio Ethical Fashion, buscamos iluminar algumas dessas questões e conectar os criadores e pensadores de uma necessária revolução na Moda. Obrigada por vir com a gente!

FEITO A MUITAS MÃOS

Nosso muito obrigada a todos os palestrantes e apoiadores

que tornaram o REF 2019 possível:

Eloisa Artuso, Julia Vidal, Aline Monçores, Larissa Roviezzo, Julia Toro, Elaine Tavares, Ana Claudia Lopes, Amanda Vasconcelos, Idilia Seixas, Lilyan Berlim, Fernando Pimentel, Giuliana Ortega, Luana Génot, Marciel Elder Costa, Fernanda Simon, Marcel Gomes, Larissa Roviezzo, Andrea Sousa, Bia Saldanha, Nelsa Nespolo, Nina Braga, Marina Colerato, Carlo D'Amario, Simone Cipriani, Dudu Bertholini, Emanuela Pinheiro, Patricia Lima, Juliana Luna, Leonardo Marques, Marcelo Guimarães, Brittany Burns, Felipe Villela, François-Ghislain Morrilion, Haroldo Torres, Oskar Metsavaht, Lilian Pacce, Alfredo Orobio, André Carvalhal, Marieke Eyskoot, Patrick Duffy, Marcelo Ramos, Gabriela Machado, Beto Bina, Taciana Abreu, Angelica Oliveira, Itiana Pasetti
+
Instituto C&A, Osklen, Reino dos Países Baixos, Simple Organic,
Instituto-E, IED-Rio

todos os direitos reservados © 2020 

  • email
  • Instagram
  • Facebook
  • linkedin
  • YouTube